Publicidade
Psicologia e Sonhos O que você precisa saber sobre a ciência por trás dos sonhos

O que você precisa saber sobre a ciência por trás dos sonhos

Pesquisa na Analise dos Sonhos
Publicidade

A mente pode ser observada de duas perspectivas: primeiro como um objeto material, ou o cérebro, e segundo como consciência subjetiva. Essa dualidade leva a dois modos de investigação: psicológica e neuropsicológica. Para citar Mark Solms e Oliver Turnbull, “há tudo a ganhar e nada a perder ao integrar nossos dois modos de investigação”.

O que a neurociência nos diz sobre sonhar?

A neurociência chegou a entender muito sobre a base neurobiológica do sonho. A descoberta do sono REM em 1953 iniciou a compreensão neurocientífica do sono e do sonho. A pesquisa inicial dos sonhos foi baseada em estudos de EEG em laboratórios do sono.

O EEG revolucionou a pesquisa e a neurologia dos sonhos em geral porque fornecia um mecanismo não invasivo para avaliar a atividade do cérebro. Os primeiros estudos de EEG revelaram que o sono não era um estado único, mas multifásico, composto por cinco estágios repetidos várias vezes durante a noite. Pesquisas anteriores do sono postularam que o sonho estava associado exclusivamente ao sono REM, também chamado sono paradoxal, pois suas ondas cerebrais se assemelham ao cérebro acordado.

Sonhos têm significado?

Acreditar que o tronco cerebral era responsável pelo REM levou ao Modelo de Síntese de Ativação do Sonho, desenvolvido por Hobson e McCarley. Isso afirmava que o tronco cerebral ativava o sonho no cérebro anterior, e que os sonhos sintetizavam as imagens “sem sentido” e “sentimentos que são produzidos aleatoriamente por disparos de células do tronco cerebral”. Essa teoria contradiz a maioria das teorias psicológicas sobre o sonho, bem como o entendimento intuitivo de muitos culturas primitivas. Essa hipótese foi refutada por pesquisas subsequentes que descobriram a presença de sonhos não-REM localizados em outras regiões do córtex.

Qual é o mecanismo do sonho?

O desenvolvimento de técnicas avançadas de imagem cerebral, como tomografia por emissão de pósitrons (PET) e ressonância magnética funcional (fMRI), possibilitou a visualização de padrões regionais de ativação associados a alterações na atividade cerebral. Rosalind Cartwright em seu livro “The Twenty-Four Hour Mind” resume essa pesquisa.

Os resultados são emocionantes e informativos. A partir de estudos de imagens do cérebro, os cientistas descobriram que áreas específicas do córtex são ativadas no sonho. Durante o sonho REM, a ativação cerebral muda de maneira sistemática. A ativação do sistema límbico do cérebro estimula o início do processo de sonho.

A segunda área do cérebro que está ativa está localizada na junção occipital-temporal-parietal. Essa área recebe, analisa e armazena informações e está associada à geração de imagens visual-espaciais.

Enquanto essas duas áreas estão ativas durante o sonho, o córtex pré-frontal dorsolateral logo atrás da testa é desativado. Essa parte do cérebro é a área lógica responsável pelas funções cognitivas executivas, como planejar e avaliar.

Essas descobertas fornecem uma compreensão neurocientífica sobre por que os sonhos são tão visuais, às vezes bizarros e intensamente emocionais. Os centros cerebrais ativados no sistema límbico e a zona entre a junção occipital-temporal-parietal são responsáveis ​​pela hiperemotividade, hiperassociatividade e intensa imagem visual que caracteriza os sonhos, enquanto as estruturas do lobo frontal, também conhecido como censor de Freud, que mediam a resolução de problemas analíticos e a auto-reflexão são desativadas.

Por que sonhamos?

Sabemos que precisamos do REM, mas os pesquisadores não sabem exatamente para que precisamos do REM. Privam os indivíduos do REM, tornam-se mais ansiosos, irritáveis ​​e têm dificuldades de concentração. A importância do REM também é evidente nas mudanças de desenvolvimento que ocorrem com o REM. Os indivíduos passam cada vez menos tempo no REM à medida que envelhecem; as crianças precisam de mais REM do que os adultos. A implicação é que o REM é significativo para o desenvolvimento da atividade cognitiva e da regulação emocional.

A visão emergente na neurociência é que os sonhos estão relacionados à consolidação da memória e à regulação emocional que ocorrem no cérebro durante o sono. Isso pode incluir a reorganização e recodificação das memórias em relação aos impulsos emocionais, bem como a transferência de memórias entre as regiões do cérebro. Idealmente, durante o sono, o indivíduo está revendo, processando e classificando ativamente experiências anteriores com novas informações. Esses achados confirmam a noção de que os sonhos têm uma função de cura e auto-regulação.

A neurociência pode explicar os mecanismos do sonho, mas não pode responder à pergunta de por que sonhamos. Se existe um significado biológico para o REM, pelo menos está associado ao sonho e ao significado que o sonho tem para a nossa psique.

Enquanto tentamos entender essa relação, os neurocientistas se debatem com sua perspectiva subjetiva observada por Solms e Turnbull, que se movem para a especulação. O mistério do sonho permanece ao lado desse outro grande mistério, o que é a consciência.

Publicidade

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Moderação de comentário está ativada. Seu comentário pode demorar algum tempo para aparecer.

Sair da versão mobile