O que é o modelo de ativação-síntese do sonho?

Teorias dos Sonhos

A teoria da ativação-síntese é uma explicação neurobiológica do porquê sonhamos. A questão de por que as pessoas sonham perplexa filósofos e cientistas há milhares de anos, mas é apenas recentemente na história que os pesquisadores foram capazes de examinar mais de perto exatamente o que acontece no corpo e no cérebro durante o sonho.

Origens da teoria

Os psiquiatras de Harvard J. Allan Hobson e Robert McCarley propuseram sua teoria pela primeira vez em 1977, sugerindo que o sonho resulta da tentativa do cérebro de compreender a atividade neural que ocorre durante o sono.

Mesmo quando você está dormindo, seu cérebro está bastante ativo. Hobson e McCarley sugeriram que, durante o sono, a atividade em alguns dos níveis mais baixos do cérebro, que são os principais responsáveis ​​pelos processos biológicos básicos, é então interpretada pelas partes do cérebro responsáveis ​​pelas funções de ordem superior, como pensar e processar informações.

Um olhar mais atento à teoria de ativação-síntese

O modelo de ativação-síntese sugere que os sonhos são causados ​​pelos processos fisiológicos do cérebro. Enquanto as pessoas costumavam acreditar que dormir e sonhar era um processo passivo, os pesquisadores agora sabem que o cérebro está tudo quieto durante o sono.

Então, que tipo de coisas está acontecendo no cérebro adormecido? Uma grande variedade de atividades neurais ocorre quando dormimos.

O sono ajuda o cérebro a realizar uma série de atividades, incluindo limpar o cérebro e consolidar as memórias do dia anterior.

Atividade cerebral desempenha um papel no sonho

Como a atividade cerebral durante o sono leva ao sonho?

  • Segundo Hobson e outros pesquisadores, os circuitos no tronco cerebral são ativados durante o sono REM.
  • Uma vez ativados esses circuitos, áreas do sistema límbico envolvidas em emoções, sensações e memórias, incluindo a amígdala e o hipocampo, tornam-se ativas.
  • O cérebro sintetiza e interpreta essa atividade interna e tenta criar significado a partir desses sinais, o que resulta em sonho.

Os sonhos compartilham frequentemente características comuns

Hobson também sugeriu que existem cinco características principais dos sonhos. Os sonhos tendem a conter conteúdo ilógico, emoções intensas, aceitação de conteúdo estranho, experiências sensoriais estranhas e dificuldade em lembrar o conteúdo do sonho.

Coisas importantes a lembrar

Para resumir, a teoria da síntese da ativação fez essencialmente três suposições principais:

  • Altos níveis de atividade no tronco cerebral são necessários para que o sonho ocorra.
  • A ativação nessas áreas do cérebro resulta em sono e sonho REM e que todo o sonho ocorre durante o sono REM.
  • O cérebro anterior tenta colocar significado nos sinais aleatórios criados a partir da ativação do tronco cerebral, resultando em sonhos coerentes.

Então, por que o cérebro tenta fazer sentido a partir desses sinais aleatórios que ocorrem durante o sono?

“O cérebro está tão inexoravelmente inclinado à busca de significado que atribui e até cria significado quando há pouco ou nenhum dado nos dados que é solicitado a processar”, sugeriu Hobson.

Reação à teoria

A publicação inicial de suas pesquisas gerou considerável controvérsia, principalmente entre analistas freudianos. Como muitos pesquisadores e terapeutas dos sonhos investem tempo e esforço consideráveis ​​na tentativa de entender o significado subjacente dos sonhos, a sugestão de que os sonhos eram simplesmente a maneira do cérebro de entender a atividade durante o sono não se encaixava bem em muitos.

Isso significa que os sonhos não têm sentido?

Embora o modelo de ativação-síntese do sonho se baseie em processos fisiológicos para explicar o sonho, isso não implica que os sonhos não tenham sentido.

De acordo com Hobson, “sonhar pode ser nosso estado consciente mais criativo, no qual a recombinação caótica e espontânea de elementos cognitivos produz novas configurações de informação: novas idéias. Embora muitas ou mesmo a maioria dessas idéias possam ser sem sentido, mesmo que algumas dos seus produtos fantasiosos são realmente úteis, nosso tempo de sonho não será desperdiçado. “

O Modelo de Sonho da AIM

Graças aos modernos avanços na imagem cerebral e à capacidade de monitorar a atividade cerebral, os pesquisadores agora entendem mais sobre o ciclo sono-vigília, os diferentes estágios do sono e os diferentes estados de consciência.

A versão mais recente da teoria de síntese de ativação é conhecida como modelo AIM, representando ativação, bloqueio de entrada e saída e modulação.

Esse modelo mais recente tenta capturar o que acontece no espaço cérebro-mente, à medida que a consciência muda através dos estados de sono acordado, não REM e REM.

Conclusão

As razões e o significado por trás dos sonhos fascinam filósofos e pesquisadores há séculos. A teoria da ativação-síntese acrescentou uma dimensão importante à nossa compreensão do porquê sonhamos e enfatizamos a importância da atividade neural durante o sono. À medida que novas tecnologias surgirem para estudar os processos do cérebro e do sono, os pesquisadores continuarão a fazer novos avanços em nossa compreensão do porquê sonhamos, estados de consciência e o possível significado por trás dos nossos sonhos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Moderação de comentário está ativada. Seu comentário pode demorar algum tempo para aparecer.